top of page

ÔR e ÓR

Bom dia,

Ilustre e querido professor,

Eu, menino, diante de tua grandeza,

Estou aqui posto, a compor,

Com pequenas minhas, as grandes virtudes desta nobre mesa.


Peço-lhe, humildemente, um enorme favor:

De outros tantos, conceda-me a gentileza,

Um empréstimo do que professas, o “ÔR”,

Dessa tua missão, de ensinar, a beleza...


É que eu gostaria de apor

Essas poucas coisas em a natureza,

As mesmas que possibilitam ao lavrador,

Encantar-se com a criação, à realeza.


Novamente – lavrador ou professor -,

Agradecendo ao empréstimo a presteza,

“ÔR”, seja em ensinar, seja em arar, é AMOR,

Que se usa de mínima força, de leveza...


Força essa que não é de se impor,

Não nos cause, portanto, estranheza,

Pode ela até prestar-se a fazer-se opor,

Mas, assim, o atua com delicadeza...


Ao transformar “ÔR” em “ÓR”,

Ora não se espante, não é esperteza,

ORação,

ORdem,

cORação,

ÓRganons,

podem vir de AMOR,


Deixe-me, apenas, completar essa reza...

Que a força da natureza vire a força do “ÓR”

Que trata com respeito as diversas naturezas

– e preza –

Muitos jeitos, muitas as maneiras, e em vários lugares,

a expansão da força do Criador!


Em essa nossa oralidade, a certeza:

Somos muitos e UM só, na demonstração de Seu imenso AMOR,

Ressonâncias de uma só GRANDEZA,

Seja em a que professas, ou à do lavrador,

Veja só que singeleza!

Cada qual carrega em si a sua dor...


Fruto ou aluno, colheita ou classe, em essência,

Do trigo ao pão, do mosto ao vinho, o manejar as potências...

- Lavoura usa Avogrado? -

Estudaremos a cinética da enxadada? – Onde, aí, a ciência?

Nossas metamorfoses em diferenças a transpor...

Mesmo pareçamos dissonantes,

Na Palavra, cores, e preto ou branco – “ÓR” –

Agregamo-nos em nossos semelhantes,

Que a dor, mediante o AMOR do “ÔR”, ou do “ÓR”,

Reconduz, ao diapasão, os caminhantes...


É o Verbo, no caminho do MELHOR,

De nossos tempos, de nossos momentos, a todo instante,

Nesses tantos rumos, tantos destinos, tantas sinas

Será, sabemos: quem é que lavra?

Ou mesmo, quem é que ensina?


Rodrigo Leonardo Goulart

Médico, Homeopata, Membro do Instituto Mineiro de Homeopatia

51 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

1 comentario


Isabel Cristina
Isabel Cristina
24 oct 2020

Grande Ser tão Veredas...

Me gusta
Post: Blog2_Post
bottom of page